(Des)conectados: mitigar o isolamento num mundo virtualmente conectado

4 de maio de 2024
  • A IA e a RV podem estar a levar a humanidade para uma revolução cognitiva
  • Estabelece um estranho paralelo com os primeiros tempos da evolução humana isolada
  • Corremos o risco de ficar demasiado imersos em mundos hiper-individualizados?
IA VR

Os nossos antepassados amontoavam-se em comunidades pequenas e isoladas, com os rostos iluminados por fogueiras.

As provas de fogueiras controladas para cozinhar e aquecer datam de há cerca de 700 000 anos, mas centenas de anos antes disso, o homo erectus tinha começado a viver em pequenos grupos sociais.

Nesta altura, podemos observar alterações no trato vocal, que indicam formas primitivas de comunicação.

Foi nesta altura que os primeiros seres humanos começaram a traduzir e a partilhar os seus estados internos, construindo essencialmente uma visão primitiva do mundo em que alguém e alguma coisa existiam para além do eu.

Estas primeiras formas de comunicação e de ligação social provocaram uma cascata de mudanças que impulsionaram a evolução humana, culminando na formação e domínio dos humanos modernos, homo sapiens.

No entanto, as provas arqueológicas sugerem que só nos últimos 20 000 anos, aproximadamente, é que os seres humanos começaram a "assentar" e a envolver-se em práticas sociais e culturais cada vez mais complexas.

Mal sabiam os primeiros hominídeos que o fogo à volta do qual se reuniam era apenas um pálido reflexo do fogo que ardia dentro deles - o fogo da consciência que os iluminava no caminho para se tornarem humanos.

E mal sabiam eles que, inúmeras gerações mais tarde, os seus descendentes se encontrariam reunidos à volta de um tipo diferente de fogo - o brilho brilhante e elétrico dos seus ecrãs.

As raízes primordiais do pensamento humano

Para compreender a natureza desta mente primitiva, temos de olhar para o trabalho dos psicólogos evolutivos e dos antropólogos que procuraram reconstruir o mundo cognitivo dos nossos antepassados longínquos.

Uma das principais conclusões da psicologia evolutiva moderna é que a mente humana não é um quadro em branco, mas um conjunto de módulos cognitivos especializados, moldados pela seleção natural para resolver problemas adaptativos específicos. 

Este facto não é exclusivo dos seres humanos. As primeiras investigações de Darwin observaram que os tentilhões das Galápagos, por exemplo, partilhavam bicos altamente especializados que lhes permitiam ocupar diferentes nichos ecológicos. 

Estas ferramentas variadas estão relacionadas com comportamentos diversos. Um tentilhão pode partir nozes com o seu bico grande e largo, enquanto outro pode arrancar bagas de um arbusto com o seu bico em forma de lâmina. 

IA
Os tentilhões de Darwin indicaram a importância da especialização de domínios na evolução. Fonte: Wikimedia Commons.

Como psicólogo Leda Cosmides e os seus colegasDe acordo com as teorias atualmente designadas por "psicologia evolutiva", os módulos cerebrais funcionavam outrora de forma muito independente uns dos outros, processando cada um deles informação específica de um domínio.

No contexto da história primitiva, esta arquitetura modular teria sido altamente adaptável. 

Num mundo em que a sobrevivência dependia da rápida deteção e resposta a ameaças e oportunidades, uma mente composta por módulos específicos de um determinado domínio teria sido mais eficiente do que um cérebro de uso geral.

Os nossos antepassados longínquos habitaram este mundo. Era um mundo de sensações imediatas, essencialmente desligadas de uma narrativa abrangente ou de um sentido do eu.

No entanto, ao longo de milhares de anos, os cérebros dos hominídeos tornaram-se mais amplamente interligados, permitindo a utilização de ferramentas, a protolinguagem, a linguagem e a interação social.

Evolução da IA
Linha cronológica do desenvolvimento humano: Fonte: ResearchGate.

Atualmente, sabemos que as diferentes estruturas do cérebro estão fortemente integradas desde o nascimento. estudos de fMRI, tais como Raichle et al. (2001)O estudo de um sistema de informação, que mostra que a informação é continuamente partilhada entre as várias partes do cérebro em repouso. 

Embora tomemos isto como um dado adquirido e provavelmente não consigamos imaginar outra coisa, não era esse o caso dos nossos antepassados.

Por exemplo, A investigação de Holloway (1996) sobre os cérebros dos primeiros hominídeos indica que as alterações na arquitetura cerebral ao longo do tempo favoreceram uma maior integração. Stout e Chaminade (2007) exploraram a forma como as actividades de fabrico de ferramentas se correlacionam com a integração neural, sugerindo que a construção de ferramentas para diferentes fins pode ter impulsionado o desenvolvimento de capacidades neurais mais avançadas.

A necessidade de uma comunicação complexa e de um raciocínio abstrato aumentou à medida que os seres humanos evoluíram de grupos de pequena escala, onde os indivíduos estavam intimamente familiarizados com as experiências uns dos outros, para grupos maiores que incluíam pessoas de diferentes geografias, origens e aparências. 

A linguagem foi talvez o mais poderoso catalisador da revolução cognitiva da humanidade. Criou um significado partilhado ao codificar e transmitir ideias e experiências complexas através de mentes e gerações.

Além disso, conferia uma vantagem de sobrevivência. Os seres humanos que conseguiam comunicar e trabalhar eficazmente com outros ganhavam vantagens.

And, ggradualmente, os seres humanos começaram a vocalizar e a comunicar só porque sim e não por qualquer valor específico de adaptação ou sobrevivência. 

Entrar na era das realidades hiper-personalizadas

Os seres humanos levaram milhões de anos a passar de grupos isolados para sociedades maiores e mais interligadas.

Atualmente, podemos estar perante uma estranha inversão desta tendência - um regresso a mundos mais individualizados mediados por tecnologias de IA e RV.

Em 2016, Mark Zuckerberg passou por um evento enquanto os participantes vestiam os auscultadores Meta 2, tendo a imagem resultante se tornado uma representação icónica dos perigos da RV para isolar as pessoas nos seus mundos pessoais.

Os actuais auscultadores de RV, liderados pelo Apple Vision ProA tecnologia de ponta da Microsoft, a tecnologia de ponta da Microsoft, pode gerar texto, imagens e modelos 3D altamente realistas e conscientes do contexto para ambientes imersivos, personagens e narrativas infinitamente personalizados.

Paralelamente, os recentes avanços na computação periférica e no processamento de IA no dispositivo permitiram que os dispositivos de RV executassem algoritmos sofisticados de IA localmente, sem depender de servidores baseados na nuvem.

Isto incorpora aplicações de IA em tempo real e de baixa latência em ambientes de RV, tais como reconhecimento dinâmico de objectos, rastreio de gestos e interfaces de voz.

Atualmente, é possível criar mundos virtuais não apenas superficialmente adaptados aos nossos gostos, mas fundamentalmente moldados pelas nossas peculiaridades e idiossincrasias cognitivas.

Tornamo-nos não apenas consumidores de conteúdos, mas participantes activos nas nossas próprias realidades privadas.

Então e os impactos? Será que tudo não passa de uma novidade? Será que a moda vai acabar quando as pessoas se fartarem da RV, como aconteceu há alguns anos?

Ainda não sabemos, mas as vendas de produtos de RV estão definitivamente a acelerar. E embora o Vision Pro tenha falhas e continue a ser proibitivamente caro - por apenas $3,499 - isto vai mudar.

Mesmo assim, afirmar que toda a gente viverá em RV dentro de cinco, dez ou mesmo 25 anos não é sensato. A RV já teve muitos momentos de entusiasmo que se dissolveram.

O Meta é uma prova disso mesmo. De acordo com a BloombergA empresa investiu $50 mil milhões no seu projeto Metaverse, o que acabou por resultar num dos seus maiores fracassos comerciais.

No entanto, o Apple Vision Pro tem o potencial de ter sucesso onde o Meta ficou aquém. A tecnologia avançada do Vision Pro, os controlos intuitivos e a integração perfeita com Appleresolve muitas das deficiências que prejudicaram o projeto Meta.

Do iPhone para o Apple Ver, Apple tem demonstrado de forma consistente a sua capacidade para criar produtos atraentes que ressoam junto dos consumidores e obrigam a uma ampla adoção.

The timing of Appleé favorável à entrada da empresa no mercado da RV. A IA não se limita a apoiar a RV em termos de desempenho; também ajuda a criar um mundo futurista ao qual a RV pertence verdadeiramente.

É cada vez mais frequente ver pessoas com auscultadores em espaços públicos, o que simboliza a crescente expansão da tecnologia.

O impacto da RV no cérebro

Então, e os impactos da RV? Será apenas um tónico visual para os sentidos, ou deveremos antecipar impactos mais profundos?

Há muitas provas preliminares. Por exemplo, um estudo efectuado por Madary e Metzinger (2016) argumentaram que a RV poderia levar a uma "perda de perspetiva", afectando potencialmente o sentido de si próprio e os processos de tomada de decisão de um indivíduo.

Uma revisão sistemática por Spiegel (2018) examinou os potenciais riscos e efeitos secundários da utilização da RV. As conclusões sugerem que a exposição prolongada a ambientes de RV pode provocar sintomas como cansaço visual, dores de cabeça e náuseas, coletivamente designados por "cybersickness.” 

cybersickness
Enjoo cibernético induzido pela RV. Fonte: Chandra, Jamiy e Reza (2022)

Entre os impactos mais estranhos da RV, um estudo da Yee e Bailenson (2007) explorou o conceito de "Efeito Proteus", que se refere ao fenómeno em que o comportamento de um indivíduo num ambiente virtual é influenciado pela aparência do seu avatar. 

O estudo concluiu que os participantes a quem foram atribuídos avatares mais altos apresentaram um comportamento mais confiante e assertivo nas interacções virtuais subsequentes, demonstrando o potencial da RV para alterar o comportamento e a auto-perceção.

É provável que haja mais investigação psicológica e médica sobre a exposição prolongada à RV, agora que a Apple Vision Pro está fora.

O caso positivo da RV

Embora seja importante reconhecer e abordar os riscos associados à RV, é igualmente crucial reconhecer os benefícios e as oportunidades desta tecnologia. 

Uma das aplicações mais prometedoras da RV é o ensino. Os ambientes virtuais imersivos oferecem aos estudantes experiências de aprendizagem interactivas, permitindo-lhes explorar conceitos e fenómenos complexos de uma forma que os métodos de ensino tradicionais não conseguem reproduzir.

Por exemplo, um estudo efectuado por Parong e Mayer (2018) descobriram que os alunos que aprenderam através de uma simulação em RV apresentaram uma melhor retenção e transferência de conhecimentos do que os que aprenderam através de uma simulação no computador ou de uma apresentação de diapositivos. Isto pode ser uma tábua de salvação para algumas pessoas com dificuldades de aprendizagem ou problemas sensoriais. 

A RV tem também um enorme potencial no domínio dos cuidados de saúde, nomeadamente nas áreas da terapia e da reabilitação.

Por exemplo, uma meta-análise efectuada por Fodor et al. (2018) examinou a eficácia das intervenções de RV para várias condições de saúde mental, incluindo perturbações de ansiedade, fobias e perturbação de stress pós-traumático (PTSD).

Outro estudo intrigante de Herrera et al. (2018) investigou o impacto de uma experiência de RV concebida para promover a empatia para com os sem-abrigo. 

O Apple Vision Pro já foi utilizado para alojar uma aplicação interactiva personalizável bot de terapia chamado XAIA.

Investigador principal Brennan Spiegel, MD, MSHSescreveu sobre o bot de terapia: "No Apple Vision ProCom a tecnologia de ponta, conseguimos tirar partido de cada pixel dessa resolução notável e de todo o espetro de cores vivas para criar uma forma de terapia imersiva que é envolvente e profundamente pessoal".

Evitar os riscos de sobre-imersão

À primeira vista, a perspetiva de viver num mundo de realidades virtuais hiper-personalizadas pode parecer a derradeira realização de um sonho - a oportunidade de finalmente habitar um universo perfeitamente adaptado às nossas necessidades e desejos individuais.

Também pode ser um mundo em que podemos viver para sempre, guardando e carregando pontos de controlo enquanto percorremos ambientes digitais perpetuamente. 

No entanto, se não for controlada, esta última forma de autonomia tem um outro lado.

A noção de "realidade" como uma base estável e objetiva da experiência depende de um quadro percetivo e concetual comum - um conjunto de pressupostos, categorias e normas partilhados que nos permitem comunicar e coordenar as nossas acções com os outros.

Se nos envolvermos nos nossos mundos virtuais individualizados, onde cada indivíduo habita a sua própria realidade à medida, este terreno comum pode tornar-se cada vez mais fragmentado. 

Quando o seu mundo virtual difere radicalmente do meu, não só nos pormenores superficiais, mas também nos seus fundamentos ontológicos e epistemológicos mais profundos, a compreensão mútua e a colaboração correm o risco de se esboroar. 

Isso reflecte estranhamente os mundos isolados e individualizados dos nossos antepassados distantes.

À medida que a humanidade passa mais tempo em realidades digitais isoladas, os nossos pensamentos, emoções e comportamentos podem tornar-se mais sintonizados com a sua própria lógica e estrutura únicas.

Então, como podemos adotar as vantagens da RV de última geração sem perder de vista a nossa humanidade comum? 

A vigilância, a consciencialização e o respeito serão fundamentais. No futuro, haverá quem adote viver em mundos de realidade virtual, aumentando-se com implantes cerebrais e cibernéticos, e assim por diante. Também verá aqueles que rejeitam isso e preferem um estilo de vida mais tradicional. 

Temos de respeitar ambas as perspectivas.

Isto significa estar atento aos algoritmos que medeiam as nossas interacções com o mundo e procurar ativamente experiências que desafiem os nossos pressupostos e preconceitos.

Esperemos que manter um pé fora do mundo virtual se torne intuitivo.

Se assim não for, as tecnologias comunitárias actuais podem servir para nos afastar em vez de nos aproximar como o fogo de antigamente.

Junte-se ao futuro


SUBSCREVER HOJE

Claro, conciso e abrangente. Fique a par dos desenvolvimentos da IA com DailyAI

Calças de ganga Sam

Sam é um escritor de ciência e tecnologia que trabalhou em várias startups de IA. Quando não está a escrever, pode ser encontrado a ler revistas médicas ou a vasculhar caixas de discos de vinil.

×
 
 

PDF GRATUITO EXCLUSIVO
Fique à frente com o DailyAI


 

Subscreva a nossa newsletter semanal e receba acesso exclusivo ao último livro eletrónico do DailyAI: 'Mastering AI Tools: Seu guia 2024 para aumentar a produtividade'.



 
 

*Ao subscrever a nossa newsletter, aceita a nossa Política de privacidade e o nosso Termos e condições